O homem e o mundo em contraluz

Deixe um comentário

Garimpo de Serra Pelada

Olá amigos. A maioria de vocês que me acompanha aqui não sabe, mas o Hipofeu, já foi um fanzine, coisa lá pelos idos do final dos anos 90. Uma invenção dos amigos Roberto Bessa e Wagner Dutra, que me convidaram pra participar também. Não durou muito, mas a idéia continuou viva por todos esses anos, até que eu comecei este blog.

O post de hoje tem exatamente o mesmo tema sobre o qual escrevi na edição impressa (o fanzine) em 199… e alguma coisa, sendo então uma volta às origens. Lembrando que desde o início, em outubro passado, deixei claro que este espaço estaria aberto principalmente para as artes do que para qualquer outro tema. Como já falei bastante de música, natural que agora uma das minhas paixões, a fotografia, permita-me falar de um dos meus heróis.

Sebastião Salgado é mais que um brasileiro reconhecido e bem sucedido no exterior. Um fotojornalista? Sim, mas também um artista, pois o olhar de Tião, como é chamado pelos amigos mais próximos, consegue captar imagens que quando reveladas parecem saltar vivas do papel ou da tela. Retratam pessoas paradoxalmente frágeis e fortes.

Sebastião Salgado

Dono de estilo inconfundível, fotografando sempre em preto e branco, com câmeras Leica, em contraluz, e quase sempre somente pessoas, Salgado embrenha-se nos lugares mais remotos do planeta, geralmente onde a alta tecnologia e a globalização ainda não afetaram rotinas e hábitos de povos com características e problemas distintos.

Sebastião Salgado nasceu no dia 8 de fevereiro de 1944 em Aimorés, Minas Gerais. Vive em Paris. Economista de formação, começou sua carreira de fotógrafo em Paris em 1973. Trabalhou sucessivamente com as agências Sygma, Gamma e Magnum Photos até 1994 quando, junto com Lélia Wanick Salgado fundou a agência de imprensa fotográfica, Amazonas images, exclusivamente devotada à seu trabalho.

Viajou em mais de 100 países para projetos fotográficos que, além de inúmeras publicações na imprensa, foram apresentados em forma de livros, tais como: Outras Américas (1986), Sahel, l’Homme en détresse (1986), Trabalhadores (1993), Terra (1997), Êxodos e Retratos de Crianças do Êxodo (2000) e Africa (2007). Exposições itinerantes destes trabalhos foram e continuam a serem apresentadas internacionalmente.

Foto do Livro "África"

Sebastião Salgado recebeu inúmeros prêmios, é Embaixador de Boa-Vontade para UNICEF e é membro honorário da Academy of Arts and Science dos Estados Unidos. Em 2004, começou um novo projeto, Gênesis, série de fotografias de paisagens, da fauna, da flora e de comunidades humanas vivendo exclusivamente dentro de suas tradições e culturas ancestrais. Este trabalho é concebido como uma pesquisa sobre a natureza ainda em seu estado original e tem previsão de conclusão para 2012.

Foto do Livro "Trabalhadores"

Este texto não é uma análise do trabalho já reconhecido e premiado em diversos países e publicado em livros de sucesso, além dos principais jornais e revistas do planeta. Na verdade, é uma homenagem ao cidadão que muito me ensinou com imagens que registram almas e me fez amar a fotografia como talvez eu ame somente a música dentre todas as artes. Aprecie as imagens que estão aqui no blog, elas dizem muito mais do que eu possa escrever. Ou se preferir vá direto á fonte, no site da Amazonas Images.

Veja o video de entrevista com Sebastião Salgado para o Jornal da Globo para o Lançamento do Livro “África”

Não deixe de comentar e compartilhar. Participe.

Dezembro está apenas começando e promete muitas surpresas aqui no Hipofeu Blog. Um grande abraço e até breve.

Anúncios

Auschwitz é aqui.

1 Comentário

Olá amigos, infelizmente terei que descumprir a promessa do último post, e voltarei a falar de música na próxima semana, mas vocês não perdem por esperar, pois na próxima quarta-feira falarei de Lulu, o disco gravado por Lou Reed e Metallica, que vem causando bastante controvérsia e só esta semana chegou às minhas mãos, então primeiro ouvirei com calma…

Aproveito também para anunciar que a partir de agora, os posts serão mais curtos, em parte por sugestão de vocês que me acompanham aqui, e um pouco também pela agitada rotina deste blogueiro.

O tema de hoje pra variar é espinhoso. Acredito que todo mundo já ouviu falar ao menos uma vez na famosa cracolandia, localizada na região central de São Paulo, no chamado centro velho, nas imediações das estações República, Luz e Anhangabaú do metrô, pra ser mais específico.

Vejo a região como uma espécie de campo de concentração a céu aberto. Ali vidas são degradadas por uma das mais devastadoras drogas que o homem já inventou. Exagero meu? Vejamos.

Cidadãos ”prisioneiros” de um vício, transformados em um exército de “noias” confinados em um território imundo, constantemente vigiados e reprimidos pela polícia e muitas vezes tratados como leprosos pelo restante da população que divide-se entre achar que trata-se de um caso de saúde pública ou simplesmente de polícia, e para os hipócritas de plantão que os encaram como uma afronta às famílias e pessoas de bem. Afronta uma ova! Queria ver se fosse um parente ou amigo desses moralistas e conservadores de meia tigela.

Sou a favor e luto não só pela descriminalização como pela legalização de drogas. E por favor, não me venham com conversa de enriquecer o crime organizado. As indústrias de cigarro e bebidas alcoólicas enriquecem industriais gangsteres que fazem parte de um certo ETA (Exploradores do Trabalho Alheio). As duas drogas em questão (bebida e cigarro), são pesadamente taxadas pelo Estado, tiveram sua publicidade quase banida dos meios de comunicação, e mesmo assim são fartamente consumidas por menores de idade de todas as classes sociais, alguns inclusive incentivados pelos pais, pois segundo a convenção, são drogas socialmente toleráveis. Detalhe: eu bebo e já fumei.

Crack mata? O que o álcool faz de vítimas em acidentes de trânsito causados por irresponsáveis bêbados armados com seus veículos e o tabaco mata de câncer também não está no gibi. Qual a razão então da satanização apenas de Maconha, Cocaína. Crack e companhia? O alcoólatra não é diferente do viciado em crack.

Tem muita família que interdita um parente alcoólatra, dando o mesmo como incapaz para gerir a própria vida. Está mais do que na hora da sociedade as instituições públicas tomarem medidas sérias e humanas, que incluam justiça e saúde. Fica a sugestão: que interditem-se então estes humanos transformados em zumbis indigentes, para que possam ser tratados, e não somente considerados parte do lixo ao qual misturam-se nas esquinas nas noites frias.

E que os sujeitos que ficam em Brasília disputando cargos, indicações e recebendo propinas, dediquem um pouco de seu tempo para agir sem hipocrisia, para que o tema deixe de ser apenas um discurso inconsistente em tribunas e no horário eleitoral gratuito. Vai ter custo monetário? Ok, que seja, usando o dinheiro público com a saúde da coletividade. Nada mais justo.

Mas a quem será que interessa o eterno descaso, a política e de repressão aos usuários e a criminalização das drogas? Indústria de bebidas e cigarros (concorrência)? Políticos defensores da “moral”? Polícia corrupta que se beneficia com o tráfico? Pense, e tire suas conclusões.

Para quem não viu, seguem duas reportagens muito boas. Uma do programa Profissão Repórter da Rede Globo,  a outra do programa A Liga da Rede Bandeirantes.

Se você não é de São Paulo, da próxima vez que vier à terra da garoa, dê uma passadinha na nossa Disneylandia do Crack, e verá um novo Auschwitz. Participe, comente, compartilhe.

Um grande abraço e até a próxima semana.

 

%d blogueiros gostam disto: